Acqua e VilaMundo promovem debate sobre saúde mental e prevenção ao suicídio em São Paulo

25 de Setembro de 2018

Evento acontece domingo, 30, às 11h30, no Cinearte Petrobras e terá exibição do filme "Yonlu" seguida por debate que encerra mês da campanha Setembro Amarelo


Estreitar o canal de comunicação com a população diante da temática sobre suicídio e reforçar o trabalho de profissionais da área da saúde mental como suporte. Com essa proposta, o Instituto Acqua e sua iniciativa VilaMundo, em parceria com o portal Catraca Livre, promovem debate que marca o encerramento das campanhas integradas ao Setembro Amarelo - mês de prevenção ao suicídio. A ação acontece no próximo domingo, (30/9), no Cinearte Petrobras, em São Paulo, a partir das 11h30. Como mote da discussão haverá exibição do filme "Yonlu", que narra a história de Vinicius Gageiro Marques, músico que cometeu suicídio em 2006, - tornando-se um dos primeiros casos de suicídio transmitido via internet no Brasil.

Dirigido pelo roteirista e diretor Hique Montanari, "Yonlu" é um filme de ficção baseado na história real deste garoto de 16 anos que, via internet, conquistou o mundo com seu talento para a música e para a arte. Fluente em cinco idiomas, ilustrador, fotógrafo e compositor de músicas experimentais, ele tinha uma visão crítica da sociedade, compartilhada em uma rede de amigos virtuais em todos os continentes. "Yonlu" participou da 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e teve estreia nos cinemas nacionais em 30 de agosto. O Instituto Acqua e a iniciativa VilaMundo idealizaram a pré-estreia do filme.

Em parceria com a Container Filmes, Prana Filmes, Lança Filmes, Clube do Professor e Cinearte Petrobras, a mesa de debate, marcada para ocorrer após a exibição de "Yonlu", contará com a presença do ator principal, que interpreta o jovem, Thalles Cabral, além da profissional da área da saúde, Fernanda Almeida. A mediação será conduzida pela jornalista e editora do VilaMundo, Keila Baraçal.

"Yonlu, assim como milhões de jovens, mantinha a característica de ser inquieto. E o fato dele ir embora tão cedo é desolador. Interpretá-lo foi uma honra e o filme me transportou a ter um novo olhar em relação a tudo que me cerca, como pessoa, como artista. O que a gente espera é levar a mensagem do Yonlu para várias pessoas que se sentem enfraquecidas. Mostrar que pode e deve existir uma saída”, conta Thalles Cabral.

Para Fernanda Almeida, profissional que atua como assistente social frente ao Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) da região de Pinheiros (SP), o filme revela, com sensibilidade, um problema que afeta diversas famílias ou pessoas que encontraram na solidão uma fuga. "É importante dizer sobre a delicadeza do filme. Ao mesmo tempo que essa realidade com que os jovens transitam pelo suicídio precisa ganhar as casas das pessoas. Falar sobre esse tema é essencial e essa história, que o Thalles interpreta tão bem, revela as relações entre suicídio e a internet e o papel da saúde pública. As pessoas precisam de informação e o filme nos deu bem mais do que isso, mostrou um caminho delicado, mas com uma visão que sugere esperança", opina Fernanda.

O olhar voltado à atenção e saúde é ampliado pelo Instituto Acqua em várias regiões do país. Há quatro anos, o Acqua mantém campanhas de prevenção ao suicídio, sobretudo, nas cinco penitenciárias instaladas em Franco da Rocha (SP), disponibilizando equipes especializadas na área da saúde mental para orientar e indicar tratamento. "Nós atendemos mais de 10 mil pessoas privadas de liberdade também sob a ótica de prevenção ao suicídio. Além de realizar o acompanhamento, investimos nos últimos três anos nas onze unidades de saúde que o Acqua gerencia no Maranhão para realizar diversas campanhas em favor da vida. Para nós, a história de Yonlu não deve ser observada apenas como um alerta, mais do que isso, deve permitir enxergar uma possibilidade de diálogos entre parentes, amigos e poder público", pontua Ronaldo Querodia, diretor-presidente do Instituto Acqua.

Sobre os participantes do debate 
Thalles Cabral é um ator, cantor e compositor nascido em Porto Alegre (RS). Thalles começou sua carreira aos 7 anos e acumula mais de 25 espetáculos de teatro em seu currículo.

Fernanda Almeida é coordenadora do Curso de Pós-Graduação em Serviço Social e Saúde na FAPSS – Faculdade Paulista de Serviço Social e professora convidada da FLACSO – Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais no Programa de Mestrado Profissional em Políticas Públicas. Atua como assistente social no Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de Pinheiros (SP).

Keila Baraçal é jornalista, editora do portal VilaMundo e mestranda em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo. Em sua pesquisa aborda as transformações do jornalismo e a identidade feminina na mídia.

Acqua mantém forte atuação na Saúde
Ao longo dos últimos anos, o Instituto Acqua se especializou na gestão em Saúde e hoje atua em diversos projetos na área, contando com mais de 4.500 profissionais em seus quadros.

No Estado do Maranhão, o Acqua iniciou sua atuação em maio de 2015 e hoje faz a gestão de doze unidades de saúde, incluindo maternidades, hospitais de alta complexidade, um centro odontológico e um centro de referência em neurodesenvolvimento, todos em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde. Vale destacar que três hospitais estão no interior do Estado, em Pinheiro, Balsas e Santa Inês, e são referências no atendimento à população dessas regiões.

Desde fevereiro de 2015, o Instituto atua em cinco penitenciárias instaladas em Franco da Rocha (SP), garantindo o acompanhamento da saúde de cerca de 10,6 mil pessoas privadas de liberdade por meio de parceria com a Prefeitura Municipal e o Governo do Estado de São Paulo.

Serviço
Exibição + debate "Yonlu"
Domingo, 30 de setembro, às 11h30;
Ingressos: 80 disponíveis na bilheteria (retirar 30 minutos antes) e 20 para leitores VilaMundo;
Local: Cinearte Petrobras - Av. Paulista, 2073 - Cerqueira César, São Paulo.