Atividades marcam Mês da Prematuridade em três unidades de saúde gerenciadas pelo Acqua no Maranhão

30 de Novembro de 2018

Programação orientou profissionais e mães sobre os cuidados adequados com bebês prematuros em São Luís e Balsas

Para debater os principais protocolos de atendimento, parto e cuidados com os bebês prematuros, o Instituto Acqua, em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), deu início, em 16 de novembro, a uma programação voltada para o Dia Mundial da Prematuridade em três unidades de saúde do Maranhão: Maternidade de Alta Complexidade do Maranhão (Macma), Hospital Infantil Dr. Juvêncio Mattos e Hospital Regional de Balsas. Esta última unidade encerra as atividades sobre o tema nesta quarta-feira (28/11).

A prematuridade é o principal fator de óbito de muitos recém-nascidos. No Brasil, aproximadamente 10% das crianças nascem prematuras (ou pré-termos), antes de completar 37 semanas de gestação. A permanência do bebê na unidade hospitalar exige um cuidado sistêmico que envolve toda a família. “A programação vem fortalecer as ações que já são realizadas nas unidades durante o ano inteiro e a campanha contribui na sensibilização da comunidade e também na capacitação dos profissionais de saúde sobre práticas e métodos de atendimento”, destacou a enfermeira obstetra e responsável técnica do Instituto Acqua, Analamacia Brito.

No Complexo Materno-Infantil Dr. Juvêncio Mattos foram realizadas oficinas, palestras e roda de conversas sobre temas diversos, como aleitamento materno, cuidados com o prematuro, qualidade do sono do bebê, atenção humanizada, o método canguru, cardiopatia congênita, infecções neonatais e fatores de risco associados à prematuridade. De janeiro até novembro deste ano já foram realizadas 366 internações com 158 casos de bebês prematuros. 

Durante a oficina de cuidados, mães atendidas na Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Canguru (UCINCa) da unidade hospitalar receberam orientações sobre o banho, a troca de fraldas e técnicas de relaxamento de ofurô com o bebê. Segundo a terapeuta ocupacional Thalita Padilha, a técnica garante o imediato relaxamento e reorganização comportamental do bebê. “O banho não é higienizante e pode ser feito em um balde com água morna, sem produtos químicos. A sensação é de relaxamento e lembra o ambiente intrauterino”, explicou.

Após o ofurô, as mães aprenderam também a técnica do banho enrolado no pano, que serve para higienizar o corpo do bebê. Para Ana Fabrício Rodrigues, 25 anos, mãe do bebê William Levi, a troca de experiência garante segurança nos cuidados. “Foi estranho saber que meu primeiro filho ia chegar antes da hora. E aqui no hospital a gente coloca em prática muitas técnicas que ajudam a gente porque um bebê prematuro é bem diferente de uma criança de 9 meses, é bem delicado o jeito de pegar, de cuidar”, disse Ana Fabrício.

Na Maternidade de Alta Complexidade do Maranhão (Macma), o dia 17 foi dedicado a orientar profissionais e puérperas sobre os cuidados com bebês prematuros. A programação ofereceu esclarecimentos acerca da importância do aleitamento materno, cuidados com a pele do bebê recém-nascido prematuro, abordagem fisioterapêutica na prematuridade, interação entre mãe e filho, cuidados com higienização e benefícios do método canguru.

Na ocasião, a supervisora do banco de leite da unidade, Irenildes Costa, destacou as vantagens do leite materno para a criança prematura. “O colostro da mãe de um prematuro tem característica diferente, pois dura cerca de 28 dias. Entre os mais diversos benefícios, contribui para a maturação gastrointestinal e desempenho neurocomportamental, além de estreitar os laços entre mãe e bebê. As mães que têm seus bebês em tempo regular produzem colostro por sete dias”, esclareceu.

O pediatra e coordenador do serviço de neonatologia da Macma, Aristides Bittencourt, enfatizou a contribuição do tema da prematuridade. “O que está sendo apresentando é interessante para promover a melhoria no cuidado, na assistência, na prevenção da prematuridade, incluindo a importância do pré-natal. Todas as abordagens propostas neste encontro são fundamentais para a compreensão sobre como prevenir que a criança nasça antes das 37 semanas, assim como os procedimentos indicados caso a criança seja prematura”, ressaltou o médico.

No dia 23 de novembro, a programação no Juvêncio Mattos ganhou o formato de seminário com a participação da equipe multiprofissional da unidade e 40 acadêmicos de Fisioterapia, Terapia Ocupacional, Enfermagem, Fonoaudiologia e Medicina, como explica Roama Paulo, coordenadora da Residência Multiprofissional em Neonatologia. “Este foi o primeiro seminário que realizamos na unidade com temas que vão desde a humanização e prevenção da prematuridade, o manejo com o bebê, o cuidado e atenção com a família e todas as etapas de atendimento da entrada à saída do prematuro na unidade hospitalar”, disse.

Ciclo de atendimento - Os bebês nascidos prematuros são atendidos inicialmente nas Unidades de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN). Depois, vão para Unidade de Cuidado Intermediário Convencional (UCINCo) onde as mães acompanham a dieta e outros cuidados até o bebê ganhar peso. Por fim, a terceira etapa é Unidade de Cuidado Intermediário Neonatal Canguru (UCINCa), onde são estimulados o vínculo materno e o desenvolvimento completo do bebê.