Ações para reduzir mortalidade materna e infantil no Maranhão recebem destaque da ONU

15 de Abril de 2019

Serviços gerenciados pelo Instituto Acqua são exemplos de cuidado à rede de atenção e foram divulgados pelo site oficial da ONU para o Brasil; Sala Cuidar, inaugurada na Maternidade de Alta Complexidade do Maranhão, e Regional de Balsas, no interior do estado, mostram o cuidado com a saúde da mulher em busca da valorização à vida

A Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), governo do Maranhão e Instituto Acqua fortaleceram ações para reduzir a mortalidade materna e infantil. Na última quinta-feira (11/04), foi inaugurada na Maternidade de Alta Complexidade, em São Luís, a “Sala Cuidar”, uma rede de atenção às urgências e emergências obstétricas para atender todos os municípios do estado. A maternidade é gerenciada pelo Acqua em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde (SES). O site oficial da ONU para o Brasil divulgou reportagem que mostra o momento positivo que a saúde materno-infantil apresenta, além da recente inauguração, a partir da experiência de mais de 400 dias sem morte materna na Regional de Balsas, no interior do Maranhão.

A conquista foi alcançada com os investimentos feitos pelo Governo do Estado e também administração do Instituto Acqua frente aos serviços do Hospital Regional de Balsas; além de outras ações em conjunto com a gestão municipal e organizações, como OPAS, e Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). A adoção de estratégias e iniciativas voltadas para a qualidade de vida da mulher, pré-natal, parto e puerpério, como o Centro Sentinela de Planejamento Reprodutivo e a Planificação da Saúde, também são destaques. Para acessar a reportagem, clique aqui.

Para o secretário de Estado da Sáude, Carlos Lula, após os resultados positivos da cooperação técnica, a redução da mortalidade materna e infantil se tornou uma política de estado. “Precisamos reduzir esses indicadores e ser exemplo para o Brasil, mostrando que é possível reduzir a mortalidade materna e ter zero mortalidade infantil”.

Segundo Haydée Padilla, coordenadora da Unidade de Família, Gênero e Curso de Vida da OPAS/OMS no Brasil, os resultados obtidos no Maranhão só foram possíveis pela combinação de três pontos estratégicos: “decisão política, capacidade técnica e disponibilidade de recursos financeiros”. Para ela, essa é a equação necessária para uma tomada de decisão benéfica para toda a população.

Cuidar - Estruturada pela OPAS, a “Sala Cuidar” é importante instrumento dessa nova etapa. Funciona em tempo integral e conta com profissionais de saúde aptos a oferecer apoio técnico para diagnóstico e tomada de decisão durante emergências obstétricas.

Balsas - Inaugurado em setembro de 2017, o Hospital Regional de Balsas foi um dos destaques entre as iniciativas que levaram a melhoria da assistência materno-infantil na região interiorana. Para a diretora executiva do Instituto Acqua, Paula Assis, responsável pelas unidades de saúde do Maranhão, o resultado é motivo de orgulho. “Nós estamos muito satisfeitos com essa conquista e por fazermos parte de uma página tão bonita e importante na história da população maranhense. É um trabalho em conjunto, iniciado pelo Governo, OPAS e gestores municipais, que o Acqua se tornou grande parceiro e está sempre disposto a alavancar”, ressaltou.