Famílias encerram primeiro ciclo de tratamento na Casa de Apoio Ninar

25 de Julho de 2017

Ao longo de sete dias, familiares participam de oficinas e recebem orientações da equipe multiprofissional; local também é centro de formação para profissionais do interior do Estado

Com troca de experiências e muito aprendizado, as nove famílias que passaram pela Casa de Apoio Ninar, em São Luís (MA), durante esta semana participaram de diversas atividades na última sexta-feira (21/7), o último dia do primeiro ciclo de tratamento na unidade. Familiares e profissionais compartilharam, no auditório da Casa, o sentimento vivenciado em cada área do local. A cada três meses essas famílias devem retornar à Casa de Apoio para novos ciclos de tratamento, buscando resgatar o vínculo com o bebê.

No início da semana, Luziete Ribeiro, mãe da pequena Danielly, estava com muitas expectativas em relação às atividades que iria realizar na Casa de Apoio. No último dia do primeiro ciclo de tratamento, a dona de casa já avaliava o tratamento como positivo. “Aqui tivemos uma aproximação maior com a nossa criança. Aprendemos que podemos ter utensílios em casa para usar na reabilitação e que não é preciso ter sempre objetos caros. Notei também que os profissionais são muito atenciosos e as atividades foram bem interessantes. A palavra que resume tudo isso é gratidão”, comentou a moradora de Paço do Lumiar.

Entre os ensinamentos obtidos, Luziete ainda lembrou a possibilidade de utilizar bolas de gude para auxiliar nos exercícios destinados a melhorar o desenvolvimento do bebê e destacou a possibilidade de confeccionar objetos para chamar a atenção da criança, como por exemplo, um chocalho feito com latas de alumínio e arroz.

A fisioterapeuta respiratória Olga Guará contou que o envolvimento dos pais no tratamento dos filhos foi o destaque da semana. “Foi uma semana de expectativas, ansiedade e aprendizado também para nós. Neste primeiro ciclo houve o envolvimento e a disponibilidade muito grande da figura do pai. Eles tinham vontade de aprender e era visível que estavam internalizando tudo o que era repassado. Prova disso foi a utilização de alguns termos técnicos por eles. Havia uma vontade de aprender e isso é motivador”, pontuou.

Durante a palestra de encerramento, foi realizada exposição dos quadros produzidos nas oficinas de arteterapia e trabalhos de argila. As famílias atendidas eram de São Luís, Paço do Lumiar, Lima Campos, Codó e Santa Luzia do Paruá.

Coordenadora da Casa de Apoio Ninar, a neuropediatra Patrícia Silva avaliou como positiva essa primeira semana. “Durante a última atividade notamos que conseguimos fazer com que cada pai e mãe resgatasse a maternagem e compreendesse que pode reconstruir diversos objetos em sua própria casa e que isso vai auxiliar muito no tratamento do bebê”, disse.

Ninhos de Cuidados – Paralelo ao tratamento diferenciado e especializado na Casa de Apoio, o local também é um centro de formação continuada. Semanalmente, profissionais de diversas áreas participam das atividades, desde consultas médicas até oficinas de culinária. De acordo com a coordenação da Casa de Apoio, o intuito é fortalecer os profissionais que atuam nos municípios e criar espaços destinados ao tratamento com um olhar diferenciado e voltado não apenas ao tratamento, mas também à família.

Uma das profissionais que passou pela Casa de Apoio contou que as experiências vividas no local servirão de estímulo para o exercício de atividades no município onde trabalha. “Essa semana vivemos uma experiência rica. Na Casa de Apoio notamos que as famílias têm acesso a um atendimento digno, humano e que vai além do atendimento à criança, chegando à família. Saímos daqui com uma semente e muita vontade de realizar esse trabalho também dentro do nosso município, e assim oferecer mais assistência a essas famílias”, destacou entusiasmada a assistente social de Paço do Lumiar, Érica Reis.