Feira Vegana do ABC registra recorde de público em Santo André

08 de Março de 2018

Evento promovido pelo Instituto Acqua reuniu 2 mil pessoas que apoiam causa animal e mantém alimentação saudável

A sexta edição da Feira Vegana do ABC, realizada em (4/3), na sede do Instituto Acqua, em Santo André, recebeu 2 mil pessoas que aproveitaram a gastronomia saudável, cosméticos e linha têxtil de 30 expositores participantes. Foi o maior público já registrado na feira.

Laura Bentivoglio, 18 anos, moradora de São Bernardo do Campo, estava acompanhada do irmão, Marcelo, de 22 anos, e elogiou a estrutura do evento. “Essa é a terceira vez que frequento a feira e achei mais interativa do que as anteriores. Tem bastante variedade. Vim porque adoro comprar cosméticos, mas também sou apaixonada pelo hambúrguer do Morrones. Gostei também da opção de manter mesinhas com cadeiras na frente da Feira, ficou bem melhor”, declarou a estudante de biologia.

Dino Demartini, empresário e sócio-proprietário da marca Kerai Moda Ecológica, explicou que além das vendas, o intuito é trocar experiências com os clientes e outros expositores. “Já estive na feira do Acqua em outras edições e acho interessante esse formato. Dessa vez deu para perceber a amplitude do evento. Essas mudanças são boas para nós e ainda mais para os visitantes. O interessante é essa troca de experiências, isso renova as ideias e amplia nosso segmento”, afirmou.

A Kerai atua na produção artesanal de bolsas, sapatos e carteiras ecológicas. Dino e a sócia Beth Amante, além de comercializar os itens, capacitaram diversos alunos na área de design. Uma das ex-alunas, inclusive, trabalha junto na confecção. “Nós temos na produção uma das alunas do curso de design. Essa nossa produção tem uma demanda alta e um prazo curto, porque dependemos totalmente das vendas em eventos. Mantemos produção a cada 15 dias”, explicou.

Outro destaque despertou olhares de Miriam Damasceno Pavollo, empresária de 44 anos. Ela marca presença em eventos veganos para adquirir cosméticos livre de testes em animais. Uma das marcas que expôs na Feira Vegana, a AnaZoe Cosmética Natural, é a que mais atrai a moradora de Mauá. "Eu tinha de comprar pela internet ou até mesmo ir em ventos próximos à Avenida Paulista, em São Paulo. Quando chegou a Feira Vegana em Santo André adorei. Sempre que posso compro esses produtos. Além de tudo, os preços também são bons", opina. 

Veganismo que revigora - Emilia Garcia, 75 anos, é vegana desde 2016. Ela mora sozinha no bairro de Rudge Ramos, em São Bernardo do Campo, e garante ter uma vida melhor do que antes. "Eu tinha artrose, gordura no fígado, nódulo e tomava muitos remédios. Decidi por conta própria mudar minha alimentação, cortando tudo que deriva de animais. É impressionante como o veganismo mudou minha qualidade de vida. Eu sou outra pessoa. Minha pele mudou, minhas pernas estão mais ágeis. Estou com meu corpo em harmonia. Essa é a primeira vez que frequento uma feira e já aproveitei para comprar alguns itens", contou.

Comissão Pró-vegana - O Instituto Acqua, idealizador da Feira Vegana há seis meses, criou em janeiro comissão para fortalecer a comunicação com veganos do Grande ABC e pontuar os próximos eventos que irão compor o calendário 2018. Sete representantes do segmento, incluindo organizadores, discutem desde então estratégias para traçar a programação.

Para o diretor-presidente do Instituto Acqua, Ronaldo Querodia, a comissão surgiu diante de um momento em que a Feira Vegana amplia sua participação regional. “Sem dúvida o objetivo é construir ideias que fortaleçam as próximas feiras, criar discussão e fomento com os organizadores, produtores e consumidores. É importante ressaltar que nosso evento tem recebido bom número de público e a visibilidade aumentou gradativamente”, pontua.