Feira Vegana do ABC reúne grande público em Santo André e já tem data marcada para maio

23 de Abril de 2018

Evento promovido pelo Instituto Acqua reuniu variedade de produtos e jazz; iniciativa que apoia economia criativa e hábitos saudáveis terá nova edição em 27 de maio

A edição de abril da Feira Vegana do ABC, que ocorreu no último domingo, (22/04), na sede do Instituto Acqua, em Santo André (SP), reuniu pequenos produtores e a comunidade regional do Grande ABC para estimular a economia criativa, hábitos saudáveis e o contato com produtos livres de ingredientes de origem animal. Com entrada gratuita, o público também conferiu apresentação do grupo de jazz Sidewalk Trio. Cerca de 1.800 pessoas visitaram o local. A próxima edição está marcada para 27 de maio.

A atividade contou com produtores que apresentaram aos visitantes diversas opções de produtos à base de vegetais, com destaque para alimentos como doces de biomassa, hambúrgueres, bebidas orgânicas e leite de amêndoas. O local recebeu também o food truck da consagrada marca Morrones, que comercializa lanches veganos; doces da Biscoitinho Confeitaria Vegana; além de outros produtos como coxinha de jaca, da Sabor Vegetariano; comida congelada, da Kulinara; e suco verde livre de transgênicos, glúten e lactose, da Suco Verde Orgânico.

Outra novidade desta edição foi a comercialização de churros veganos da El Sabroso Churros Vegano Gourmet. Juliano Grafite, empresário da marca, adorou o evento. “É a primeira vez que participo da Feira Vegana do ABC, outros expositores que indicaram. E curti bastante. O público gostou do nosso churros e espero voltar mais vezes. Não conhecia a região, somos de São Paulo, mas adoramos o espaço”, opinou.

Kamila Novelli, 28 anos, moradora de Santo André, visitou o evento pela primeira vez e aprovou a gastronomia. “Experimentei doces e salgados, adorei o hambúrguer de lentilha. Além da comida, gostei também da energia desse lugar, do ambiente. É bem legal”, comentou.

O empresário e sócio da marca Caedeia Suco Verde Orgânico, Claudio Ferreira, participou pela segunda vez da atividade em Santo André e garante retornar em outras edições. “Nossos amigos sempre falaram muito bem dessa feira e então decidimos apresentar nosso trabalho aqui também. A primeira foi um sucesso e nos motivou a voltar. Somos de Brasília, mas já estamos com a empresa há três anos em São Paulo. Não conhecíamos o ABC e adoramos o público daqui. Queremos voltar mais vezes com toda certeza”, indicou.

O evento também recebeu produtos cruelty free, ou seja, aqueles que não geram qualquer tipo de prejuízo para os animais em sua produção, e que seguem padrão natural de testes e fabricação. Essa postura garante que os animais não sofram com exploração ou até mesmo sejam sacrificados em prol da indústria. Com isso, tem se popularizado a criação de marcas de produtos veganos, como a AnaZoe – Cosméticos veganos, que produz e vende shampoo, condicionador, máscaras, óleos e hidratantes corporais e também a Añu Saboaria. Essas e outras empresas comprometidas com as causas animais integraram a oitava edição da feira.

Para o diretor-presidente do Instituto Acqua, Ronaldo Querodia, a Feira Vegana já se consolidou no ABC em virtude da qualidade dos produtos e também do formato aplicado. “A Feira Vegana do ABC tem sido referência para a população que precisava sair da região para encontrar itens em São Paulo. E além de contar com boa variedade de produtos, incluindo aqueles de marcas consagradas no segmento, aliamos nossa vocação cultural sempre apresentando atrações musicais simultaneamente. Desta vez, somamos o yoga também. É, sem dúvidas, um evento diversificado”, pontuou.

Aula gratuita de yoga

Para integrar a programação da Feira Vegana do ABC, a Praça Kennedy, na Vila Bastos (a cinco minutos do Instituto Acqua), contou com aula aberta de yoga com o professor Marcio Prado. A atividade ocorreu no período da manhã do evento e reuniu 40 participantes. Carlos Ribeiro, 28 anos, morador de Santo André, esteve na aula e depois aproveitou para conhecer a Feira Vegana do ABC. “Eu gosto da atividade, já pratico com o professor Marcio e acho bom para divulgar a prática. Não conhecia o Instituto Acqua e achei bem coerente a proposta da feira.”