Hospitais em Pinheiro e Santa Inês adotam odontologia nas UTIs para combater infecções e acelerar recuperação dos pacientes

09 de Abril de 2018

Equipe de enfermagem é treinada e sensibilizada sobre a importância da higienização bucal para pacientes em estado grave

A presença da odontologia dentro das Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) é relativamente nova no Brasil e está presente em unidades gerenciadas pelo Instituto Acqua em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão (SES) desde janeiro deste ano. Os hospitais Macrorregional Tomás Martins, no município de Santa Inês, e Regional da Baixada Maranhense Dr. Jackson Lago, em Pinheiro, contam com cirurgiões dentistas especializados para atuação multiprofissional no combate às infecções e outras doenças da cavidade bucal, potencialmente adquiridas na ala vermelha, destinada aos casos mais graves.

A introdução da higienização bucal, bem como a presença do cirurgião dentista na UTI das unidades, diminui o quadro de agravamento do paciente, o tempo de internação e o custo do tratamento. São combatidas, principalmente, enfermidades como pneumonia associada à ventilação mecânica, assim como focos de infecção.

“A higiene bucal realizada diariamente também é importante no combate à endocardite (infecção do miocárdio com origem infecciosa ou reumática), removendo os possíveis focos causadores da doença. Ainda assim, há pacientes que já chegam na UTI com a via oral em condição ruim que, associando ao seu quadro geral, pode levar à piora”, explicou a cirurgiã-dentista do Hospital Macrorregional Tomás Martins, Polyane Alencar.

Geralmente, o paciente em quadro grave é colocado em ventilação mecânica - conhecida como intubação, o que o impede de fechar a boca, provocando o ressecamento e abrindo uma porta para a colonização por microrganismos.

No Hospital Regional da Baixada Maranhense Dr. Jackson Lago, a equipe de Enfermagem, sob supervisão da dentista Luciana Seabra, atende ao protocolo que, periodicamente, é revisado para maior eficácia. Antes, os pacientes faziam higienização bucal três vezes por dia. Agora, esse número de procedimentos cabe aos pacientes com ventilação mecânica, dieta enteral parenteral ou jejum. “Os demais, com dieta oral, fazem a limpeza cinco vezes, após as refeições”, explicou a cirurgiã-dentista Luciana Seabra.

Os cuidados com a cavidade oral, dos pacientes da UTI, envolvem escovação dentária e da língua (com ou sem creme dental), lavagem com água filtrada, aspiração do excesso de líquido, além de aplicação de espátula com gaze embebida em solução antimicrobiana.

Dentistas na Ala Vermelha - A Sociedade de Medicina Intensiva Americana (SCCM) recomenda a formação de uma equipe multidisciplinar na Unidade de Tratamento Intensivo composta de médicos, enfermeiros, terapeutas respiratórios, farmacêuticos e intensivistas com especialização no tratamento de pacientes críticos.

No Brasil, a Odontologia Hospitalar foi legitimada em 2004, com a criação da Associação Brasileira de Odontologia Hospitalar (ABRAOH). E no ano de 2008, foi aprovada a Lei nº2776/08, que obriga a presença do cirurgião-dentista nas equipes multidisciplinares das UTIs. Dentre as atribuições deste profissional está o atendimento específico para a manutenção da higiene bucal e da saúde do sistema estomatognático do paciente durante sua internação, por meio do controle do biofilme oral, da realização de ações preventivas e do tratamento de doenças orais, como a cárie, a doença periodontal, as infecções peri-implantares, as estomatites e outros.