Profissionais do Instituto Acqua debatem funcionamento do SUS durante Encontro de Gestores

08 de Janeiro de 2018

Palestras de coordenadores da Secretaria de Estado da Saúde orientaram sobre estrutura de atendimento e procedimentos para regulação de leitos e prestação de contas

Entender o funcionamento do SUS e suas características também contribui para a prestação de um serviço público eficiente e de qualidade. Profissionais do Instituto Acqua participaram de duas palestras que abordaram o funcionamento e organização dos serviços de saúde no Maranhão, ministradas por coordenadores da SES (Secretaria de Estado da Saúde) durante o Encontro de Gestores 2017, em São Luís (MA). Os debates envolveram equipes que atuam em nove unidades de saúde sob gestão da parceria Acqua/SES.

Com o tema ‘Controle a Avaliação da SES’, a palestra da coordenadora de Controle e Avaliação da SES, Marina Nascimento Souza, mostrou como as redes de atendimento à população estão organizadas em Regiões de Saúde e destacou a estrutura da Região de Saúde de Pinheiro para demonstrar o alcance e tipo de serviços oferecido nas unidades que a compõem.

A palestrante também apresentou os Sistemas de Informação em Saúde, que auxiliam no trabalho de prestação de contas. “Compostos por ferramentas de gerenciamento de dados, esses sistemas auxiliam gestores e profissionais. São exigências do Ministério da Saúde que precisamos seguir para operacionalizar as redes de atendimento de forma correta”, reforçou.

Na apresentação seguinte, Egídio de Carvalho Ribeiro, coordenador da Central de Regulação da SES, abordou o tema ‘Regulação dos Serviços de Saúde’. Os participantes do Encontro de Gestores debateram o funcionamento da regulação de leitos e dos fluxos de internação no Estado. O palestrante também apresentou as centrais que realizam essas atividades para os casos que necessitam de atendimento ambulatorial ou pré-hospitalar de urgência, procedimentos eletivos e leitos.

“Em 2017 nós enfrentamos o desafio de implantar novas unidades e, agora, o de aprimorar o serviço de regulação executado em cada uma, melhorando sua resolutividade e fazendo a ligação entre a demanda do paciente e o serviço oferecido. O perfil de cada unidade está em fase de aprimoramento com a implantação de novos serviços, e isso pode ser considerado um avanço no atendimento à população”, avaliou Ribeiro.

Outro ponto destacado pelo coordenador foi a importância do SISREG (Sistema Nacional de Regulação) para otimizar o funcionamento das unidades. A ferramenta online facilita o controle do fluxo ambulatorial e otimiza o uso de recursos em cada hospital.