Profissionais do Instituto Acqua que atuam no Maranhão participam de Simpósio Internacional de Assistência ao Parto em São Paulo

13 de Setembro de 2018
Evento contou com a presença da parteira norte-americana Gail Tully, referência em assistência e processos de humanização do parto; ação aprimora trabalho aplicado pela gestão Acqua em unidades de saúde

Saber escutar e esperar os processos fisiológicos normais da mulher diante do parto têm sido uma abordagem diferenciada e humanizada para equipes de saúde que atuam em maternidades. Essas e demais características foram debatidas no V Siaparto - Simpósio Internacional de Assistência ao Parto, entre os dias 4 e 9 de setembro, no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo. Nove profissionais da Maternidade Nossa Senhora da Penha, unidade gerenciada pelo Instituto Acqua no Maranhão, integraram o congresso para aprimorar métodos e ampliar ações em prol da humanização.
 
A iniciativa foi direcionada para práticas e técnicas sobre as nuances da assistência ao parto, ao nascimento, às gestantes, puérperas, bebês e à família, com foco nas evidências científicas e nas melhores experiências nacionais e internacionais. Entre os métodos apresentados foi destaque a técnica inovadora do 'Spinning Babies', desenvolvida pela parteira norte-americana Gail Tully.
 
Para a diretora-geral da Maternidade Nossa Senhora da Penha, Luciana Gomes, a participação no congresso trouxe informações e um jeito novo de técnicas de humanização na assistência ao parto. "Na maternidade já desenvolvemos diversas práticas que garantem a humanização e acolhimento de gestantes e puérperas. Essa nova abordagem que conhecemos no evento também vai nos ajudar a promover mudanças e melhorar os índices de intervenções, cesarianas desnecessárias, a utilização de métodos não-farmacológicos e uso de exercícios que estimulam a progressão para o parto natural", explica.
 
O método não é apenas uma técnica instrumental, mas uma nova forma de pensar na relação entre mãe e bebê, com uma filosofia baseada em três ideias: do respeito ao tempo do nascimento, acreditar que o corpo feminino é perfeito e a confiança de que a mulher é capaz de dar à luz. A nova abordagem inverte a preocupação sobre a dilatação no trabalho de parto e direciona o foco no estudo da pelve feminina e sobre como está localizado o bebê durante o processo do parto.

"A técnica aumentou o meu olhar em relação à humanização no parto, fazendo enxergar que a mulher é a maior protagonista nessa história e que nosso papel é saber escutá-la, transmitir segurança para que ela possa viver esse momento de forma plena", comenta Maria Ester Cordeiro, enfermeira obstétrica da Maternidade Nossa Senhora da Penha.
 
O simpósio tratou ainda de outros temas relacionados à saúde, diminuição de violências no parto, questões jurídicas, como a legalização do aborto, estímulo a métodos não-farmacológicos, doenças durante a gravidez e importância das doulas. As enfermeiras e profissionais do Acqua participaram também de cursos de reanimação neonatal, assistência ao parto domiciliar, partograma, ultrassom e cardiotopografia.
 
A responsável técnica do Instituto Acqua no Maranhão, Analamacia Brito, que também participou do evento, destacou que a participação em congressos, simpósios e cursos de formação é uma forma de melhor qualificar os profissionais que atuam nas unidades gerenciadas. "Temos um desafio que também envolve a mudança de paradigmas e a afirmação de políticas públicas. Reforçar as boas práticas de assistência humanizada ao parto é uma das premissas do Acqua e as experiências e técnicas absorvidas no evento serão multiplicadas nas diversas maternidades que atuamos", conclui Analamacia.