Profissionais do Instituto Acqua realizam 3,6 mil atendimentos de saúde no Centro de Progressão Penitenciária de Franco da Rocha (SP)

22 de Março de 2018

Ação incluiu testes rápidos de HIV e hepatites, teste de glicemia, aferição de pressão arterial e orientações sobre higiene bucal

Promover atendimentos de saúde e garantir o acesso a informações que auxiliam na prevenção de doenças são ações que proporcionam mais dignidade à população, principalmente para quem está em privação de liberdade. Nesta terça-feira (20/3), profissionais do Instituto Acqua realizaram 3.673 atendimentos no Centro de Progressão Penitenciária (CPP), em Franco da Rocha (SP), o que possibilitou aos reeducandos dessa unidade prisional tanto o direito à saúde quanto a possibilidade de detectar precocemente diversas patologias.

A ação aconteceu durante a quinta edição da Jornada de Cidadania e Empregabilidade, evento realizado pela Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) do Governo de São Paulo e que permite a realização de diversos serviços à população prisional, como emissão de documentos, corte de cabelo e atendimentos de saúde.

Os 14 profissionais do Instituto envolvidos na atividade – entre enfermeiros, técnicos de enfermagem e dentistas –, realizaram 126 testes rápidos de HIV, 100 de hepatite B, 100 de hepatite C e 91 de sífilis. Além disso, 816 pessoas aferiram a pressão arterial e fizeram teste de glicemia.

“É sempre muito gratificante levar serviços de saúde em formato de mutirão para a população carcerária. Isso só foi possível graças ao empenho e dedicação de todos os parceiros envolvidos. Nesse contexto, o Instituto Acqua, que está conosco desde 2015, desempenha um papel de excelência para a execução de todas as ações desenvolvidas pelo Núcleo de Saúde desta unidade”, pontuou a diretora técnica de saúde do CPP, Alessandra Conversani.

Desde 2015 o Instituto atua em cinco penitenciárias de Franco da Rocha, em parceria com a Prefeitura Municipal, para realizar o acompanhamento de saúde nas áreas de Saúde da Mulher, Saúde Bucal, Tuberculose, Controle de Diabetes e Hipertensão, Hanseníase e outras dermatoses, DST/HIV e hepatites B e C, entre outras demandas.

O dia anterior ao evento contou com palestras ministradas pelas equipes: 2.200 pessoas receberam informações sobre conjuntivite e fizeram exame ocular e 171 reeducandos foram orientados sobre doenças como hipertensão, diabetes, HIV e tuberculose.

A enfermeira Ana Paula Casamassa, que atua nas unidades e esteve presente na ação, destacou que a adesão às palestras aumenta o impacto das ações preventivas realizadas pelo Instituto no CPP. “O primordial nesse momento é conscientizá-los de que o diagnóstico precoce de uma doença pode evitar a contaminação para outras pessoas. A adesão foi satisfatória em todas as nossas palestras. Promover ações desse tipo é um ato de cidadania e reconhecimento de que todos devem ter acesso a saúde.”

Na área dedicada às orientações sobre higiene bucal, os profissionais conversaram com 69 homens privados de liberdade ao longo do evento. Os dentistas Wilian Garcia e Douglas Casaroto ensinaram a forma correta de escovação com o auxílio de diversos cartazes criados pelos próprios reeducandos. “Orientamos sobre os cuidados com a cavidade bucal como uma forma de prevenção das principais doenças que a acometem. Um ponto interessante nessa atividade foi a participação dos reeduncandos na confecção dos materiais explicativos. Eles utilizaram desenhos com diversas dicas que fornecemos para manter em dia a higienização bucal”, explicou Garcia.