contato@institutoacqua.org.br

Covid-19 é tema de roda de conversa na Retaguarda Materna Elisabeth Coelho Vaz (MA)

22/02/2021

Atividade reuniu profissionais da unidade gerenciada pelo Instituto Acqua em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde (SES)

Roda de conversa sobre dúvidas relacionadas com a doença provocada pelo novo coronavírus, a Covid-19, reuniu profissionais e colaboradores da Retaguarda Materna Elisabeth Coelho Vaz, em São Luís (MA), na manhã desta segunda-feira (22/02). As orientações foram conduzidas pela infectologista, professora universitária e membro do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar da unidade de saúde, Mônica Elinor Alves Gama. A Retaguarda Materna é gerenciada pelo Instituto Acqua em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde (SES).

Informações sobre características das doenças virais, os principais sintomas associados à Covid-19 e as sequelas já identificadas pela Organização Mundial de Saúde foram esclarecidas na atividade. Entre as principais dúvidas foi pontuada a importância da vacinação e o estado de imunidade após o contágio.

“A Covid-19 é identificada por características e sintomas de quadro respiratório com febre, tosse, dor de garganta, coriza, obstrução nasal e que pode evoluir para quadros graves e comprometimento pulmonar, a síndrome respiratória aguda grave”, afirmou Mônica Elinor.

De acordo com a enfermeira Joselma Pinheiro Silva Romano, integrante do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) da Retaguarda Materna, a unidade de saúde tem orientado todos os profissionais, pacientes e acompanhantes sobre a importância do uso obrigatório de máscara e higienização das mãos.

“A unidade de saúde não recebe pacientes suspeitos ou com sintomas da Covid-19. Não somos unidade de referência para esse tratamento. O controle e prevenção são feitos por busca ativa diariamente entre todos os que frequentam a retaguarda. Também fixamos avisos sobre o tema e reforçamos as informações com ações educativas”, disse.

Na unidade, os acompanhantes assinam termo de compromisso assumindo a obrigatoriedade de uso de máscara e são frequentemente informados sobre a importância das práticas de prevenção da doença. A infectologista também lembra que mesmo os profissionais já vacinados devem manter a prática de higienização das mãos, fazer uso de máscara e o distanciamento físico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *