contato@institutoacqua.org.br

Hospital de Campanha de Santa Inês (MA) completa um mês de funcionamento com 53 altas

30/06/2020

Gestão, tecnologia e humanização do atendimento têm sido foco do trabalho das equipes que atuam no tratamento de pacientes da Covid-19; desde a inauguração, apenas um óbito foi registrado

O Hospital de Campanha (HC) de Santa Inês, no Maranhão, completa nesta terça-feira (30/06) um mês de funcionamento. A unidade de saúde foi entregue à população como aporte no combate à pandemia do novo coronavírus na região do Vale do Pindaré. Gerenciado pelo Instituto Acqua em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), o HC registrou um óbito nos últimos 30 dias e 53 altas. A unidade conta com 40 leitos.

Erick Bringel, diretor-geral do Hospital de Campanha, pontuou que o funcionamento do HC contribuiu para diminuir a sobrecarga de ocupação de leitos na região. “Com um mês de funcionamento percebemos que sem o Hospital de Campanha não teríamos conseguido desafogar o sistema de saúde da região concomitante com a parceria dos municípios que se empenharam em medidas preventivas contra a Covid-19, assim diminuindo os números de acometidos por essa doença”, apontou o médico.

O HC de Santa Inês realizou 18.190 atendimentos, entre consultas multidisciplinar (1657), internações (79), procedimentos de enfermagem (15.180) e Serviço Auxiliar de Diagnóstico e Terapia (1.250). Além destes dados, 53 pacientes foram recuperados da Covid-19 e retornaram ao convívio familiar. Também foram registradas 14 transferências e, até esta terça-feira (30/06), 11 pacientes permanecem internados. Os leitos do Hospital de Campanha funcionam como retaguarda do Hospital Macrorregional Tomás Martins, sendo uma fusão em prol do atendimento direcionado a pacientes acometidos pela Covid-19 no Vale do Pindaré.

Fluxo de atendimento – Os pacientes das Regionais de Zé Doca e Santa Inês, acometidos pela Covid-19, são admitidos no primeiro momento no Macrorregional, recebendo os primeiros cuidados na alta complexidade e posteriormente dando seguimento ao tratamento no HC. “Com a ampliação dos leitos devido a inauguração do HC, conseguimos atender todos os pedidos reprimidos que tínhamos antes. Hoje conseguimos atender toda a demanda diária proveniente da regulação de leito”, completou Bringel.

De acordo com o Núcleo Interno de Regulação (NIR) do Hospital Tomás Martins, os pacientes atendidos no HC foram regulados, além de Santa Inês, das cidades como Newton Belo, Pio XII, Monção, Bela Vista, Pindaré-Mirim, Vitorino Freire e São João do Carú.

O médico Rafael Medeiros, que atua no HC de Santa Inês, falou da nova dinâmica que surgiu com o hospital. “Nesse um mês, a equipe do Hospital de Campanha se integrou mais, o que possibilitou ter resultados com mais qualidade e termos êxito no término do tratamento dos pacientes. Foram altas mais seguras, graças a todos os ajustes que fomos fazendo na dinâmica interna do Hospital de Campanha”, comentou.

Medeiros ainda lembrou da assistência ofertada às famílias durante o período de internação de cada paciente. Segundo ele, repassar informações pelo telefone tem sido um ponto relevante. “Antes passávamos informações na beira do leito, com a pandemia passamos a direcionar os boletins pelo telefone e assim tivemos que redobrar nossa atenção com cada paciente e familiar”, afirmou.

Histórias de afeto – Ao receber alta na última segunda-feira (29/06), Maria da Conceição Teixeira, 68 anos, natural de Pindaré-Mirim, um dos municípios atendidos pela unidade de saúde, relatou como foram os cinco dias de tratamento no HC. “Só tenho a dizer para as pessoas que trabalham no Hospital de Campanha que continuem sendo atenciosas como todo mundo foi comigo. Gostei do atendimento”, disse a aposentada.

A técnica de enfermagem Léa de Jesus Barbosa, 49 anos, falou do trabalho humanizado como parte da rotina hospitalar no HC. “Um técnico de enfermagem não é só um técnico, é um amigo dos pacientes, por isso sempre cuidamos com carinho. Muitos deles vêm debilitados e precisam ter essa assistência com carinho e conforto. Acabamos muitas vezes exercendo até a função de familiar”, finalizou.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *