contato@institutoacqua.org.br

Hospital Regional de Ponta Porã (MS) disponibiliza teste da orelhinha e linguinha

06/06/2019

Inéditos na unidade, exames detectam problemas auditivos e alterações na língua do bebê para que sejam encaminhados ao tratamento

Já estão disponíveis os testes da orelhinha e linguinha no Hospital Regional Dr. José de Simone Netto, em Ponta Porã (MS). A partir deste mês, os recém-nascidos terão alta da maternidade com os testes realizados na unidade. Os exames são obrigatórios por lei e tem o objetivo de detectar problemas auditivos e alterações na língua que podem causar dificuldades para o bebê na hora de amamentar, mastigar e falar. A unidade é gerenciada pelo Instituto Acqua em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde (SES).

A fonoaudióloga Isabela Pini explica a importância dos recém-nascidos saírem da maternidade com o exame físico. “No teste da orelhinha conseguimos ver se as células do ouvido do bebê estão em estado normal de funcionamento. O aparelho detecta precocemente algum grau de surdez. Já no teste da linguinha, detectamos alterações no frênulo, um pequeno tecido e outros aspectos como a língua presa. O bebê com essa alteração possui dificuldade para sugar na mamada e geralmente machuca o seio da mãe. O diagnóstico precoce evita problemas futuros que o bebê poderia ter”, pontuou.

O exame é realizado na própria unidade pela fonoaudióloga, com equipamentos de referência. Para os bebês que não nasceram na maternidade, os pais poderão realizar o agendamento do exame no período vespertino na recepção social do hospital.

“Agora que os exames são feitos no próprio hospital, facilitou muito. Antes tínhamos que nos deslocar para fazer em outro local. É bem rápido e o bebê fica dormindo, com certeza irá facilitar para as outras mães também”, contou Gislaine da Silva Anastácio, mãe do Pyetro Anastácio Fernandes, que nasceu no dia (28/05) na maternidade do Hospital Regional de Ponta Porã.

O teste da orelhinha é indolor, não tem contraindicação e pode ser feito com o bebê dormindo. “Nós introduzimos o aparelho com uma ponta confortável no ouvido que emite ondas sonoras. Esse som movimenta as células do ouvido e retorna ao equipamento com o resultado na hora. Caso tenha alguma alteração orientamos massagem no ouvido e marcamos um retorno ambulatorial. No da linguinha realizamos exame físico bem rápido que já conseguimos diagnosticar a língua presa e encaminhar para fazer o pequeno corte”, explicou a fonoaudióloga.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *